Cuba divide opiniões. Não só aqui fora como lá também. Conhecemos cubanos apaixonados e outros revoltados.Por um lado um país rico em histórias, mar caribenho sensacional e por outro um país comandado há décadas por um mesmo partido, sem liberdade de imprensa e liberdades individuais.

Quando falamos de Cuba, muito nos remete a política, fatos históricos marcantes do socialismo. Mas enfim, deixando qualquer opinião política de lado, vamos falar do lado inspirador, das cores de Havana, do espírito dançante e da volta ao tempo. É assim que a gente se sente lá, como se o tempo não tivesse passado.

                   

Cuba é extremamente seguro e tem mil curiosidades bacanas. De fato, os cubanos passam por problemas cotidianos, de racionamentos, limitações, mas o turismo em si não é afetado, ao contrário, é CHEIO de turista querendo ver de perto esse país tão diferente do que vivemos na nossa rotina capitalista. O índice de violência é baixíssimo, quase não vi policiais na rua. Me senti completamente segura, mesmo andando por ruas desertas e com pouquíssima luz, afinal estamos em CUBA, as ruas são pouco iluminadas e falta manutenção. Mas as ruas são limpas, tá?

                   

Visite Cuba de mente aberta, procure conversar com as pessoas e entender como funciona a vida delas ali. Aliás, é preciso ir com a expectativa do que esperar por lá.Faltam produtos, o serviço é lento e tem fila pra tudo. Não existe fartura de nada. Hoje tem, amanhã pode não ter. A frase dessa viagem foi “É o que temos para hoje”. Você senta para comer, escolhe do cardápio, pede e não tem mais. Se vira com o que tem. Já que essa não é uma viagem gastronômica mesmo, relaxa e curte o que Cuba tem de melhor.

             

O que fazer em Cuba? Comece por Havana

Comecei pela capital Havana, uma cidade cheia de contrastes.

Confesso que me surpreendi positivamente. Achei que só encontraria prédios caindo aos pedaços. Como falei, falta manutenção e a cidade tem um lado decadente, com janelas quebradas que remetem a certo abandono. Mas Havana tem muitos monumentos conservados, teatros e museus imponentes que muito me encantaram. Fora os hotéis 5 estrelas que têm belas e conservadas fachadas.

 

Me hospedei no Hotel Saratoga, super bem localizado com uma piscina bem gostosa e moderninha no rooftop com vista para o Capitólio. A decoração é bem bacana e o tamanho dos quartos excelente. O café da manhã charmoso e gostoso apesar de não ter de tudo todos os dias, os estoques não são repostos com regularidade (Cuba…) O hotel tem wifi, apesar de certa dificuldade e lentidão. Wifi em Cuba é sinistro. Você pode comprar os “wifi card” mas é controlado com seu nome, a conexão cai toda hora e só pode usar no lobby de hotéis ou em praças públicas autorizadas. À noite o que mais vimos foram rostinhos iluminados pela luz do celular. Mas foi bom para fazer um detóx!

       

       

 

Fiz boa parte do turismo a pé me perdendo pelas ruas de Havana. Lá tem 3 formas não-tradicionais de se locomover: bici-táxi (os carinhas te levam a pequenas distâncias e você negocia o valor); Almendrones – um táxi antiguinho (sempre!) que funciona como uma “lotada”, você faz sinal, diz o destino e compartilha com outras pessoas dentro; Côco-táxi- um triciclo motorizado em forma de côco, negocia o valor, entra e segue. Nesse último você “veste o crachá” de turista, é claro. Mas é lógico que eu fui turistar nele. Kkkk

   

 

Cuba é o país com maior número proporcional de pessoas com mais de 100 anos, tendo mais de 1,5mil centenários vivos. Na rua vemos muitos senhores sentados no meio-fio, observando o vai e vem das pessoas e fumando seu charutinho. Uns se vestem tipicamente ou tocam sax em troca de fotos e alguns Cucs.

Conversamos com vários cubanos sobre a vida e suas rotinas. Uns amam o regime socialista e afirmam que todos têm oportunidade de saúde e educação enquanto outros reclamam dos impostos e taxas que devem pagar ao governo, do baixo salário mínimo e da falta de liberdade. Enfim, gostei de saber que 99% da população sabe ler e escrever e que a taxa de mortalidade infantil é a segunda mais baixa do continente, perdendo só para o Canadá.

 

O que fazer em Havana?

2 dias inteiros em Havana foram suficientes para ver bastante coisa.

Fechamos 1 city tour (30cucs por pessoa) com um guia que falava português e deu uma visão ótima de tudo.

 

Lugares de interesse em Havana:

  • Plaza De La Revolution
  • Plaza de Armas
  • Castillo del Morro (visual de toda Havana velha)
  • Museu da Revolution
  • Museu do Rum
  • Hotel Inglaterra, bem bonito para visitar também
  • Capitólio (igualzinho ao de Washington)
  • Malecón
  • Bairro Vedado
  • Bosque de Havana
  • Parque John Lennon
  • FAC (fábrica de Arte Cubana) – lugar jovem, descolado com drinks e artes com quadros coloridos na parede. Rola shows também.
  • À noite fomos a um show do Buena Vista Social Club. Muito famoso mas odiamos. Turistaço. Visão péssima. Saímos antes de acabar. Esses shows acontecem em lugares diferentes a cada noite e não tivemos sorte. Era um lugar muito grande e a banda ficava longe com pilastras na nossa frente.

Bares e Restaurantes de Havana

Aproveite para se embalar no clima musical da cidade, os bares têm sempre na entrada grupos tocando música alta, é salsa, é merengue é tudo. Uma animação só.

  • Prove o tradicional mojito no La Bodeguita del Medio e não esqueça de marcar seu nome nas paredes do bar. Se conseguir um espacinho…
  • Preferi o Daiquiri no Floridita (onde Ernest Hemmingway costumava ir). Sente no balcão e observe quantos saem por hora. Muito, viu!?Tome um cafezinho no Café O’reily, decoração fofa e todo tipo de café.
  • Almoce no El Patio restaurante bem lindinho na Plaza de La Catedral.
  • À noite minha dica é o La Guarida onde foi filmado “Morango e chocolate”. Nunca imaginei encontrar um restaurante tão cool em Havana. Ficamos no rooftop pois estava lotado. A galera é jovem e descolada. O lugar é lindo e mistura tradição com modernidade. Os drinks e petiscos são deliciosos. Como fomos sem reserva, não jantamos. Mas li que os pratos são muito saborosos.  Reserve com antecedência para garantir.
  • La Moneda Cubana – tive a indicação e só visitei. Achei os pratos bem bonitos e o legal é sentar no terraço.
  • Esto no és un café – café e restaurante fofo numa ruazinha perto da Plaza de La Catedral (bonita a praça, viu). Tomamos um daiquiri delicioso lá. Um charme. Esse foi indicação da @lalarebelo.
  • Beba um Tukola, Gaseosa e Materva- os refrigerantes cubanos, já que não rola Coca-Cola, né?
  • Sorveteria Coppelia – os cubanos amam mas é bem fraquinha! O sorvete é tipo daqueles de antigamente aguadinho com pedacinho de gelo no meio. O turista senta separado e não faz fila… não gostei. É gigante a fila pros locais. São apenas 3 sabores. De qualquer forma, acho que vale a visita pra gente sentir o que é o cotidiano. Bom para valorizarmos a nossa vida, as nossas possibilidades de ir e vir e chances de escolhas. Lá eles não têm outra opção. Sorvete é Coppelia ou Coppelia, por isso amam a … Coppelia.

Nosso segundo dia foi um ESPETACULAR tour num carro antigo. Sem dúvida minha maior diversão. O nosso foi um Chevrolet de 1955 rosa todo a la Penélope Charmosa kkkk. Depois da Revolução cubana (1959) ninguém pôde mais vender seus carros e imóveis. Os carros foram passando de geração em geração. Hoje muitos proprietários vivem de passeios pela cidade. Os carros ficam estacionados em frente ao Hotel Plaza ou Inglaterra e você escolhe seu possante na hora e negocia ali mesmo o valor e para que lado ir.

O passeio durou cerca de uma hora, custava 50 cucs e negociamos a 35 cucs. Fomos no Bosque de Havana um lugar SURPREENDENTE e com uma vegetação única e MUITO diferente. Lindíssimo e rende fotos belíssimas. Paramos no Parque John Lennon, tiramos fotos com a estátua do cantor e terminamos no bairro Vedado, onde vivia a alta sociedade que, ao fugir do país na Revolução, abandonou suas luxuosas casas.

            Onde comprar charutos em Havana?

Quando falamos em Cuba, logo pensamos nos famosos charutos.

São os melhores do mundo. O solo e as condições climáticas são favoráveis à produção de charutos. A marca mais tradicional e desejada é a Cohiba.

Vale a pena comprar charutos em Havana, mas fique ligado e não aceite ofertas de ninguém nas ruas. Opte por lojas oficiais ou em hotéis. Nós compramos na Fábrica de Tabaco, logo atrás do Capitólio. Apenas porque nas lojas que entramos não tinha estoque da marca que queríamos. Se achar seu charuto preferido compre logo, não precisa comparar preços pois não variam muito. Lembre que tudo pertence ao governo e é meio tabelado.

Detalhe: John Kennedy comprou 1.200 charutos cubanos antes de decretar o embargo econômico contra Cuba. Espertinho…

 

          O que fazer em Cuba? Conheça Trinidad

 

Não fique apenas em Havana. Aproveite para conhecer outras cidades por perto. Sugiro Trinidad, patrimônio da Unesco, uma cidade pequena, uma mistura de Paraty com Tiradentes. São 4 horas de carro. Pare no caminho na pequena cidade de Cienfuegos. Só uma voltinha para esticar as pernas já basta. Uma praça principal, uma vista para baía e uma feirinha de artesanato local. Tome uma Tukola, Gaseosa ou Materva, os refrigerantes locais de Cuba. (o tipo Fanta laranja é o melhorzinho!) e siga caminho.

               

Trinidad é bem diferente de Havana, menorzinha, tipo uma cidade de interior, com carroças, igrejinha e pracinha. Foi lá que experimentei uma forma de hospedagem bem comum em Cuba: em casa particular.

               

Ficamos na Casa Blue. 30, cucs (tipo €30,) + 5 por pessoa de café da manhã. Fomos recebidos por Tony, o dono muito simpático e conversador. A casa é simples e limpinha, lembra uma pousada com algumas suítes, bem perto do centrinho principal. Piso de cimento, banheiro com cortina de plástico mas com ar condicionado. Gostei de ter experimentado uma casa particular. Veja outras opções no site casaparticularcuba.org

O programa de final de tarde é se encontrar na escadaria principal para assistir ao pôr-do-sol, ao som de música ao vivo e bebendo uma piña colada. Super astral!

       

A cidade é toda de paralelepípedos e tem barzinhos e restaurantes interessantes. Também tem o famoso Bodeguita del Medio para quem curtiu o de Havana.

Não deixe de ir no La Botija o restaurante mais badaladinho de Trinidad. Uma graça e clima bem jovem. Não faz reserva. Claro que tem uma fila básica na porta!

Não deixe de passear e se perder pelas ruazinhas explorando a cidade.

 

 

O que fazer em Cuba: fique uns dias em Varadero

Seguimos de táxi particular para Varadero – US$90. Negociamos em Trinidad mesmo, é muito fácil arranjar esse tipo de transfer. Existem coletivos que custam US $30, por pessoa se for o caso de querer dividir com algum desconhecido por lá (muito comum em Cuba!).

Ficamos 3 noites no Hotel Meliá Las Américas (adults only). Hotel all inclusive que não aceita crianças.

                 

O ponto alto do hotel é a piscina linda e a vista para praia com o azul do mar caribenho dando acabamento. O quarto é amplo, muito bom, mas precisa de uma reforma nos pisos e móveis. Assim como o lobby bem espaçoso, mas precisa de um up! Mas isso é Cuba, genteee, tudo meio antigo mesmo. A comida e os drinks não tem padrão e são sem qualidade. Os vinhos horríveis!

                         

À noite você reserva os restaurantes que quer jantar. Mas com antecedência se não lota e não tem mais. O serviço em todo hotel é bem fraco. Só quem ganha gorjeta que é simpático! Como tudo é do governo os funcionários deixam muito a desejar em qualidade de atendimento. E sempre tem alguma coisa faltando. Hoje é guardanapo, amanhã é canudo… Tranquilo, Cuba!

Fizemos um passeio (us$100,) de 1 dia com a empresa Crucero del Sol num catamarã giga para 80 pessoas com bebidas all inclusive para nadar com golfinhos. Os catamarãs são super novos, é tudo bem organizado e o visual incrível, afinal estamos no mar do Caribe!

                         

Fui em 2017 e na época achei bem legal. Os golfinhos são super bem treinados te dão beijo, você toca nele e se quiser nadar com eles é só dar uma gorjeta de US$10 pro funcionário que consegue 5 minutos sozinhos para nadar e tirar mais fotos. Na época amei a experiência, mas hoje tenho outro pensamento. Não tenho mais vontade de “financiar” programas com animais presos. Os golfinhos ficam num aquário natural e grande mas estão presos, né? Não quero mais isso, não.

O passeio para pro almoço em Cayo Blanco. Bom para dar uma relaxada nas areias brancas e curtir os 50 tons de azul do mar.

               

De Varadero de volta pro aeroporto de Havana fechamos transfer com o Alfredo da Agência Nexus. Um senhor super sério que nos atendeu muito bem. E fomos de van coletiva US$15 por pessoa bem tranquilo.

               Dicas antes de ir para Cuba

  • Obrigatório comprovante da Vacina de febre amarela (me pediram na entrada)
  • Visto é moleza. Pode ser adquirido facilmente por US$20, no check in da Copa Airlines. Voei com a Copa e foi simples assim.
  • Passaportes com validade mínima de 6 meses.
  • É melhor levar Euro do que dólar para trocar lá. O dólar é desvalorizado em 10% em todas as transações. Poucos lugares aceitam cartão de crédito, ainda mais se for de banco americano.
  • Já troque seu dinheiro assim que desembarcar no aeroporto uma boa parte do que pretende gastar. A troca é por CUCs (pesos convertidos que só os estrangeiros usam. Os cubanos usam CUPs).
  • As CADECAS (casas de câmbio) na cidade vivem com FILAS GIGANTES e exigem passaporte (eu costumo deixar no cofre do hotel). Assim você garante logo e não fica enfrentando fila toda hora que precisar trocar. A diferença de valor para uma e outra é mínima ou quase nada.

 

                    Curiosidades de Cuba

                 

  • Cuba é a maior ilha do Caribe.Não se resume a 1 ilha. É um arquipélago formado por mais de 1.500 ilhas.
  • A expectativa de vida do cubano é uma das maiores do mundo: 75 anos, em média.
  • A salsa surgiu em Cuba na década de 60. É uma mistura de mambo, rumba e dança porto-riquenhas.
  • Cuba é uma potência esportiva mundial tem mais medalhas de ouro olímpicas do que o Brasil.
  • Rum é bebida típica cubana e feita a partir do melaço de cana-de-açúcar. Eu amei o Rum Legendario, é uma delícia! Traga umas garrafas, vai fazer sucesso aqui.
  • A cozinha cubana, conhecida como cozinha crioula é uma mistura da tradição culinária indígena, espanhola e africana. Pratos típicos – congrís (arroz e feijão vermelho cozidos na mesma panela), moros y cristianos (arroz e feijão preto cozidos na mesma panela com carne de porco), chicharrone (torresmo), ajiaco (guisadinho de vegetais com cebola, alho, pimentão, cenoura, nabo e mandioca).
  • Fidel Castro ao assumir o poder ordenou que todos os jogos Banco Imobiliário fossem destruídos.
  • A taxa de natalidade em Cuba é uma das mais baixas do ocidente.
  • A biotecnologia cubana já gerou mais de 600 patentes para novas drogas e tecnologias inovadoras em saúde.
  • Cuba é o único país da América Latina e Caribe em que a desnutrição infantil está erradicada.
  • Cada família cubana tem uma caderneta de racionamento que permite a compra de alimentos e produtos de uso básico a preços de custo.
  • Até 1997 era ilegal o contato entre turistas e cubanos.
  • Cuba é um país laico, mas permite a liberdade religiosa. Até 1998 era proibida a comemoração do Natal em Cuba. Depois da visita do Papa João Paulo II, passou a ser permitida.
  • 1% das casas tem internet
  • Che Guevara, um dos homens mais importantes de Cuba não era cubano, era argentino! Ele era médico, ganhou o título de cidadão cubano e morreu na Bolívia.

Mesmo depois de 60 anos da Revolução Cubana de 1959, Cuba ainda passa por um lento processo de transformação. Foram décadas das presidências dos irmãos Fidel e Raul Castro e a ilha caribenha tenta atualizar seu modelo econômico, já que é difícil ter investimentos internacionais. Barack Obama chegou a declarar um “degelo” diplomático à Cuba mas Trump reverteu o processo e tudo está embargado de novo. São muitas mudanças e recuos e o país vive um eterno debate sobre seu futuro. Enquanto pouco ou nada muda, suba num carro retrô e volte ao tempo. Vale a experiência por lá.

Próximo artigoQue tal “passar” um chá?
Meu nome é Juliana Nakad Sterenberg, mas pode me chamar de Ju! Sou carioca, aquariana, publicitária e sempre trabalhei com moda. Nas minhas viagens encontro inspiração e conexões que ampliam meus horizontes para um novo olhar. Visitei 57 países e minha lista de sonhos só cresce. A paixão que me move é conhecer novas culturas, visões da vida diferentes e lugares que abrem minha mente e me conectam com esse mundão de diversidades. Compartilhar minhas experiências com vocês é o que completa essa viagem. Embarca comigo?

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui